Arquivo | Notícias

O que a Copa ensinou para mim e para minha filha?

Postado em 14 julho 2014 por Divina Neusa de Queiroz

LOGO JORNAL 

Creio que todo brasileiro guarde uma Copa em seu coração de menino ou menina. Ingênuo ou ingênua, descobrimos a paixão do país que literalmente para em dia de jogo. Em geral tudo começa com o álbum de figurinhas, na minha época coladas com Tenaz em chicletes Ping Pong. Em seguida a camisa, a bandeira, a corneta e demais adereços: óculos, adesivos, pintura no rosto e no cabelo, colorindo a si, a família, a casa, o carro, o animal de estimação e tudo mais que possa ser pintado de verde e amarelo.

 

A minha Copa foi a de 1982, então com 13 anos. Uma seleção que esbanjava talento e arte. Sublime, plástica e goleadora, fazia questão de jogar bonito, marcar golaços e sair dos estádios sob aplausos e suspiros da torcida. Os astros eram Waldir Peres, Leandro, Oscar, Luisinho, Júnior, Toninho Cerezo, Falcão, Sócrates, Zico, Éder e Serginho, comandados pelo eterno Telê Santana. Tudo ia bem até o fatídico dia 6 de julho, no estádio Sarrià, em Barcelona, quando o carrasco Paolo Rossi nos mandou para casa.

 

A da minha filha de 11 anos foi esta. Claro que não pretendo fazer uma analogia com a medrosa, pífia e perdida equipe do já ultrapassado Felipão, mas comparar os sentimentos de 32 anos atrás com o que passou minha filha no trágico dia 8 passado. Tínhamos praticamente a mesma idade em ocasiões que trouxeram fortes comoções à nação de chuteiras. Em suma, de que maneira a experiência e os anos vividos afetam os sentimentos? O que muda no intervalo de uma geração? O que pude ensinar e que ainda posso aprender com a Copa e o vexame de terça-feira? Vejamos.

 

Colaboração: até os mais desatentos perceberam a movimentação em torno de praças e bancas. Crianças e marmanjos sentados no chão trocando figurinhas e comemorando a cada página preenchida. Acompanhei e incentivei minha filha na jornada, mesmo que mal saiba ainda o nome dos jogadores.  Além da colaboração, negociação e paciência, estabelecendo critérios para cromos brilhantes e sabendo que só a troca completaria o álbum a partir de determinado momento. Nada mal para uma filha única. Felizmente não fui chamado na escola, já que jogo de bafo é ainda coisa de menino. 

 

Geografiaaproveitei para instigar sua curiosidade através de pequenas competições de perguntas e respostas, toda vez que víamos uma bandeira de algum país participante da Copa, correlacionando seleção, jogadores, grupos, jogos, continente e raça. O mesmo para os nomes das arenas e os locais dos jogos, desta vez com as capitais, estados, clima e relevo, tais como Arena das Dunas, Pantanal e Beira Rio. Tento dentro do possível acompanhar suas matérias escolares e geografia em especifico sabia que eram temas que estavam sendo abordados. 

 

Prioridades: fui questionado sobre as manifestações e gastos em estádios padrão FIFA, enquanto pessoas morrem em filas de hospitais. A indignação e questionamentos das crianças de hoje passa longe da alienação que vivíamos há trinta anos. Ditadura e censuraversus redes sociais e internet. Tentei tirar deste fato o conceito de definição de prioridades, trazendo exemplos da vida cotidiana, tais como pagar uma boa escola ou comprar um celular novinho em folha? Creio que tenha entendido, contentando-se com seu aparelho atual e parafraseando: você não vai votar na Dilma em outubro, vai? 

 

Regras: apesar do avanço das mulheres nos mais diversos campos, perguntas bizarras são ainda comuns, já que algumas se interessam pelo tema a cada quatro anos. Graças aos recursos tecnológicos utilizados nos intervalos das partidas, explicar o que é um impedimento tornou-se tarefa mais fácil à minha filha, que não foge a regra. Crianças e regras são a princípio indissociáveis e inimigas, todavia tentei explicar os motivos por trás das regras, assim como o que ocorreria caso não existissem. Tudo ia bem até que perguntou porque Suárez foi penalizado e Zuinga não. As vezes há motivos que nem adulto consegue traduzir.  

 

Perda: emocionou-me vê-la vibrar na disputa de pênaltis contra o Chile, assim como me partiu o coração seu choro incontido já no quarto gol alemão. Acredito que tenha sido sua primeira grande perda, já que pude perceber de maneira nítida seus cinco estágios: negação, raiva, barganha, depressão e aceitação, através de suas perguntas e frases. “Pai, não acredito! Odeio a seleção! Preferia que não estivesse de férias para ver a seleção perder! Estou triste!” E finalmente: “Pai, tudo bem, daqui a quatro haverá outra Copa”. Aqui tentei não interferir em seu processo de dor, deixando que percebesse e curtisse cada estágio a sua maneira. 

 

Vexame: por fim, já em sua fase de aceitação tentei reforçar o vexame que passou a seleção, toda vez que trazia a tona o assunto, envergonhando a si e ao país como um todo. Abordei com a pequena os conceitos de preparação e planejamento, importantíssimos não só para um evento como a Copa, mas também para o vestibular, provas e trabalhos. Podemos até não avançarmos ou sofrermos algum revés, já que perder faz parte do jogo, porém humilhação e vexame é algo que nunca podemos deixar que nos aconteça.  

 

Enfim, fico triste por minha filha, cuja memória ingênua guardará para sempre o acachapante placar de 7 x 1 para a Alemanha, já que em 2018 estará mais interessada em paqueras e baladas, ao invés de 11 jogadores correndo atrás de uma bola. Quiçá em 2044 possa reescrever este artigo, revivendo com meus netos a história que vivi com ela. Espero que até lá esteja vivo, assim como tenhamos pelo menos mais uma estrela no peito.  Texto de Por Marcos Morita

 

Marcos Morita é mestre em Administração de Empresas, professor da Universidade Mackenzie e professor tutor da FGV-RJ. Especialista em estratégias empresariais, é colunista, palestrante e consultor de negócios. Há mais de quinze anos atua como executivo em empresas multinacionais.

 

Sobre Marcos Morita:
www.marcosmorita.com.br
professor@marcosmorita.com.br

 

 

@Marcos (13).jpg

 
 
 

Comentários (0)

Morre Rosária Resende de Queiroz

Postado em 12 julho 2014 por Divina Neusa de Queiroz

TIAROSARIAMORREU-12-JULHO2014

Mais uma triste notícia.Faleceu Rosária Resende de Queiroz ,hoje de manhã,dia 12 de julho de 2014, em Goiânia.Ela teve uma parada cardíaca e os médicos não conseguiram reaniamá-la.

Rosária foi casada com Valter de Queiroz com quem teve cinco filhos( Maria Antonia,Antonio José, Carlos, Hélio e Valtércia).Nos últims meses vinha sofrendo problemas de saúde no coração, infelizmente nesta última crise não resisitu e nos deixou.

Ela é filha unica mulher de uma família tradicional em nossa região, o senhor Sebastião Resende e sua esposa Sebastiana Sampaio.Era irmã de  Lázaro Resende (Lasinho in memorian), Orlando Resende,Lino Resende.Rosária era uma mulher calma e tranquila,cheia de fé que deixa filhos, netos e um bisneto.

O corpo chegará por volta de 18 30 mim e será velado na igreja adventista do sétimo dia do bairro Tancredo Neves em Pires do Rio, próxim ao Corpo de Bombeiros.O sepultamento será em Pires do Rio, amanhã às 10 horas.

Bem aventurados os que desde agora dormem no Senhor. Deus há de confortá-los. Meus sentimentos a todos.

 

Comentários (0)

Tiro e morte de Neto Rincon

Postado em 12 julho 2014 por Divina Neusa de Queiroz

filhoprofessoraqmorreuontem11-julho2014-VALEVALE

                O jovem Gaudêncio Rincon Neto, mais conhecido como Neto Rincon, faleceu ontem,dia 11 de julho 2014, em Pires do Rio.Ele é filho de Paulo Sérgio Rincon e neto do Gaudencinho. É um bisneto do patriarca da familia Rincon, Gaudêncio Rincon Segóvia, um político que governou nossa Pires do Rio por vários mandatos e tinha a respeitabilidade de nosso povo piresino.

Neto Rincon foi baleado pelas costas furando o pulmão no Setor Industrial, ontem,recebeu atendimento dos médicos no Hospital Municipal, mas teve complicações de saúde  e faleceu. Ele é  filho da professora Marilene Martins, do Colégio Col Estadual Martins Borges.

O enterro está marcado para as 16 horas.

Nossos sentimentos.

 

Comentários (0)

Menino de 8 anos morre afogado no lago de Pires do Rio

Postado em 12 julho 2014 por Divina Neusa de Queiroz

lago piresdorio-12julho2014mortemenino-valevalevale-

Como o Jornal do Sudeste alertou na época da inauguração do Parque do Lago Rogério Gomide,em Pires do Rio,a fatalidade aconteceu:uma criança afogou e foi encaminhada para o Hospital Municipal em estado grave.

Ryckelmy se afogou no lago (no burrinho), ontem, foi levado para Goiânia, mas acabou falecendo por volta de 1 da manhã de hoje,dia 12 de julho 2014.

O menino vivia com a mãe e o padrasto no parque Santana. O nome completo dele é Ryckelmy Corrêa dos Santos Guimarães, tinha 8 anos de idade e era  aluno da professora Fátinha Reis  no 2º Ano da Fime.

Hoje é um dia muito triste. Que Deus dê forças à família e aos, professores, funcionários e coleguinhas deste menino. FIME está de LUTO.

Comentários (0)

Abertura da 58ª Exposição Agropecuária de Ipameri

Postado em 11 julho 2014 por Divina Neusa de Queiroz

a-1-111-10481400_670746796344753_887503124277663977_n
Na noite desta quarta feira,dia nove de julho 2014,foi realizada a abertura oficial da 58ª Exposição agropecuária de Ipameri com a presença  do Ministro da Agricultura e Abastecimento Neri Geller , do Superintendente Nacional da CEF Humberto Teófilo Magalhães, do Vice Governador José Éliton, representando o Governador do Estado,da prefeita Daniela Vaz Carneiro, outras autoridades e produtores da região. A solenidade foi concorrida e a importância da exposição para a economia local e da região foi destacada.
Após os pronunciamentos de algumas autoridades enfatizando  o papel desta iniciativa para o desenvolvimento do agronegócio,geração de renda e empregos , eles foram conhecer a exposição. Prestigiaram pavilhões com produtos e serviços de empresas locais, cursos em parceria com FAEG, o Stand da Secretaria de Agronegócios e outras atividades.Para diversos expositores a feira é uma boa oportunidade para realizar negócios e divulgar  produtos.
 Entre as demais autoridades também marcaram presença a  deputada Flávia Moraes, Maguito Vilela , o deputado Roberto Balestra, o Secretário de Agricultura Antônio Flavio e o presidente do Sindicato Rural de ,José C. R. Paim. Vários prefeitos da Região da Estrada de Ferro em Goiás prestigiaram o evento.
Foram assinados contratos da Caixa Econômica Federal com agricultores locais. Os convidados participaram ainda de um coquetel servido no stand da CEF na 58ª Exposição Agropecuária de Ipameri”

Comentários (0)

Ex-prefeitos de Catalão e ex-superintendente da SAE acionados por contrato irregular com time de futebol

Postado em 10 julho 2014 por Divina Neusa de Queiroz

66917_161079567247417_763932_n

Contrato irregular foi assinado com o time

Contrato irregular foi assinado com o time

A promotora de Justiça Ariete Cristina Rodrigues Vale propôs ação civil pública por ato de improbidade administrativa e ressarcimento de danos ao erário contra os ex-prefeitos de Catalão, Adib Elias Júnior e Velomar Gonçalves Rios, e o ex-superintendente municipal de Água e Esgoto, Fernando Vaz Ulhôa.

Segundo a ação, os gestores praticaram improbidade ao dispensarem licitação em situação não prevista em lei para celebração de contrato entre a SAE e o Clube Recreativo e Atlético Catalano (Crac).

Apuração do MP revela que, em março de 2009, foi firmado contrato com o Crac para a divulgação comercial e propaganda da SAE em banners, placas, e imagens em muros e arquibancadas do Estádio Genervino Evangelista da Fonseca, pertencente à agremiação, além de auxiliar a participação do clube no campeonato goiano, cobrindo despesas com futebol.

A promotora esclarece que esse contrato foi assinado pelo superintende Fernando Ulhôa, em procedimento ilegal de inexigibilidade de licitação, sem numeração, baseado em lei municipal editada em dezembro de 2008.

Essa lei foi sancionada pelo então prefeito Adib Elias e estabeleceu que a SAE estava autorizada a realizar despesas até R$ 100 mil para serviço comercial nas dependências do estádio do Crac, entre janeiro e maio de 2009.

A manobra para a dispensa de licitação começou em março de 2009, tendo sido emitido parecer jurídico favorável no dia 3 de março. Um dia antes, o ex-prefeito Velomar Rios, por meio de decreto, já tinha declarado a inexigibilidade de licitação relativa ao contrato.

Ariete Vale observa ainda que o procedimento foi realizado informalmente, sem levantamento inicial dos preços de mercado, estudo de viabilidade econômica ou justificativa do valor contratado. Posteriormente foram realizados empenho e pagamento de R$ 100 mil ao time por Velomar, que deu continuidade aos atos de seu antecessor e companheiro partidário Adib Elias.

Parecer do TCM atesta, inclusive, a ilegalidade da negociação, que ocorreu em desrespeito à Lei das Licitações, atentando contra o patrimônio público do municípios e os princípios norteadores da administração pública.

O MP, portanto, requer a condenação dos acionados pela improbidade praticada, de acordo com as sanções previstas em lei, com o ressarcimento, de forma solidária, dos danos causados. (Cristiani Honório /Assessoria de Comunicação Social do MP-GO – Foto: Cracatalano).

Comentários (0)

Tentativa de uso político na copa do mundo

Postado em 10 julho 2014 por Divina Neusa de Queiroz

aecio2014julho

Sobre viagem ao Espírito Santo.

Meu avó Tancredo, há 30 anos, lançou as bases da Nova República, que era nada mais do que a reconciliação do país com a democracia e com a liberdade. Hoje, o destino me permite estar mais uma vez no Espírito Santo, lançando as bases para um novo e grande pacto entre todos os brasileiros. Nós queremos um Brasil convergente. Um Brasil onde todos tenham melhor saúde, melhor educação, melhores perspectivas de vida. A proposta que encabeço hoje não é de um partido, e tampouco de um conjunto de forças. Ela representa o sentimento de milhões de brasileiros indignados com a incapacidade do governo de fazer o país crescer e avançar, de controlar a inflação e de permitir que os nossos indicadores econômicos melhorem. Estou extremamente honrado de poder estar aqui, ao lado do governador Paulo Hartung, meu companheiro como governador do Espírito Santo quando fui governador de Minas, um dos mais qualificados gestores públicos da nossa geração, para fazermos uma belíssima travessia, propositiva, respeitando as pessoas, dizendo a verdade, debatendo propostas. É isso que o Brasil espera de nós, e eu tenho certeza que começo com o pé direito pelo Espírito Santo.

O PT está ausente no Espírito Santo. Se o Sr. for eleito, vai acabar com esse isolamento?

Poucos estados foram tão prejudicados pela omissão do governo federal quanto o Espírito Santo. O governo federal tem responsabilidade para com todo o país, e a omissão do governo federal em questões centrais permitiu uma conflagração, o enfrentamento entre estados da Federação. Isso não é legítimo, isso não é aceitável. E ocorreu em várias áreas. Tenho, até pela minha formação pessoal, uma convicção de que a raiz de grande parte dos problemas brasileiros está nesse centralismo exacerbado, nessa transformação da federação quase que em um Estado unitário. Temos que reconhecer que aquilo que é feito no município é feito melhor do que aquilo que é feito no estado e na União. E aquilo que é feito no estado certamente é melhor do que é feito na União. Vamos refundar a Federação no Brasil, garantir melhores condições dos estados enfrentarem as suas dificuldades.

Hoje, na segurança pública, há uma omissão gravíssima do governo federal. Não existe política nacional de segurança. Na saúde, desde que o PT assumiu, houve uma queda anual da participação dos investimentos federais na saúde pública, que é hoje uma tragédia. Não adianta, esse excesso de propaganda do governo federal é quase que um acinte à inteligência dos brasileiros, porque ela não vem acompanhada de ações concretas.

Está na hora do Brasil da propaganda, do Brasil virtual, ser confrontado com o Brasil real. O Brasil das pessoas utilizando o transporte público de péssima qualidade, com saúde absolutamente precária, com a insegurança crescente em suas portas. O que queremos é que o Brasil volte a crescer e as pessoas voltem a ter esperança em seu futuro.

Sobre queda no PIB do Espírito Santo e previsões na economia. O que o Sr. fará para ajudar o estado e o país?

Em primeiro lugar, mágica não existe. O atual governo já fez a maldade. A maldade foi perder o controle sobre a inflação, afugentar os investidores do Brasil, eessa é a grande verdade, através de um intervencionismo absurdo em determinados setores da economia, como o de energia, por exemplo. Essa desqualificação do setor público, com esse absurdo aparelhamento da máquina com 39 ministérios, é quase que uma bofetada na cara dos brasileiros. Vamos cortar isso pela metade. Vamos ter uma política fiscal transparente e eficiente que nos permita resgatar a credibilidade para que os investimentos voltem ao Brasil e o crescimento da nossa economia é a alavanca mais vigorosa que teremos, tanto para controlar a inflação, quanto para permitir que estados como o Espírito Santo possam continuar se desenvolvendo.  O que não podemos ter é um governo federal que solitariamente arbitre e tome decisões que logo em seguida afetam a realidade e a economia nas unidades federadas.

O Espírito Santo vem avançando, desde o período de Paulo Hartung, muito mais em razão do esforço fiscal que foi feito aqui, na definição de parcerias estratégicas, seja no setor mineral, de celulose, em vários campos da indústria, no agronegócio, na agricultura – o Espírito Santo já se transforma no segundo maior produtor de café do país –, muito mais pelo esforço local, dos empreendedores locais, dos governos locais, do que certamente pela ação do governo federal. O que quero é refundar a Federação no Brasil e estados capacitados, qualificados e com potenciais extraordinários, como é o caso do Espírito Santo, vamos ter uma vantagem enorme.

Como o Sr. vem acompanhando os resultados de pesquisas de intenção de voto?

Com enorme otimismo. Em um momento como esse, com essa propaganda maciça do governo federal e ainda com um índice grande de desconhecimento em relação à nossa candidatura, já estamos sólidos em um segundo lugar e, como se diz, com um viés de alta. Espero que com essa minha visita ao Espírito Santo esse viés de alta aumente. Vamos fazer uma campanha verdadeira. Não considero, é da minha natureza, do Paulo [Hartung], do César [Colnago], não acho que alguém, por ser meu adversário, é meu inimigo, a ser banido da vida pública, a ser exterminado. Nada disso.

O que queremos é ter a oportunidade de apresentar a nossa proposta, respeitando os nossos adversários, mas dizendo com muita clareza: O Brasil merece mais do que está tendo. Merece crescer mais, merece administrações mais probas, mais decentes do que essas que estão aí, a acabar, a aniquilar o patrimônio de empresas públicas importantes para a vida do país, como é o caso da Petrobras, que vocês conhecem tão bem. Faço, como estou fazendo, uma caminhada da alegria, dizendo sempre a verdade, mas sempre pronto. Pronto para o bom debate em qualquer campo que ele se dê.

Sobre tentativa de uso político da Copa do Mundo.

Sempre fui muito reto nas minhas palavras, Copa do Mundo é uma coisa, eleição é outra. O governo da presidente Dilma é que, infelizmente, a cada momento, tem uma reação diferente. Quando vieram as manifestações, ela não tinha nada a ver com Copa do Mundo. Quando a Copa dá certo, parecia até que era ela a artilheira da seleção. Acho que quem vai pegar o preço são aqueles que tentaram se apropriar de um evento que é de todos os brasileiros.

Todos nós estamos tristes com  o resultado. Estive lá, como torcedor, no Mineirão, atônito com aquele resultado, e nunca misturei as coisas. Mas aqueles que esperavam fazer da Copa do Mundo, como disse a presidente, uma belezura para influenciar nas eleições, vão se frustrar.

Agora é hora de pensarmos no futuro do Brasil, vamos debater as propostas que cada um dos candidatos têm para o Brasil sair desse marasmo. Somos o país que menos cresce na nossa região, temos, de novo, uma das inflações mais altas do mundo, o IPCA dessa semana mostrou que já estamos no teto da meta inflacionária, 6,5%, porque o governo não foi prudente. Aliás, o governo da presidente Dilma falhou na condução da economia, nos deixa um cenário de estagflação, com estagnação do crescimento econômico e com a inflação retornando, e a emoldurar isso uma perda crescente da nossa credibilidade.

No campo da infraestrutura e da gestão do Estado, nos legará um Brasil transformado em um cemitério de obras inacabadas e com sobre preços por toda parte. E nos indicadores sociais o Brasil, infelizmente, volta a ver o recrudescimento do analfabetismo, vejam bem, uma agenda já virada, pelo menos uma página que achávamos virada da vida brasileira. Na saúde, uma tragédia, uma omissão cada vez maior do governo federal crescendo ano a ano. E na segurança, a ação do governo federal, ou a omissão do governo federal, é quase criminosa. 87% de tudo que se gasta em segurança pública vêm dos estados e municípios.

O Brasil não pode mais sustentar um projeto poder de um grupo político que a qualquer custo quer se manter à frente do governo federal. E pergunto: para quê? Para nos legar esse Brasil que estão nos deixando? Não. Os brasileiros não vão permitir. Está na hora de mudar e nós somos a mudança corajosa e verdadeira que o Brasil precisa viver.

Clique aqui para baixar o aquivo em word: https://drive.google.com/file/d/0B8tS7v2ZXhonZEFaM1V5ZWRUaUE/edit?usp=sharing

Comentários (0)

Geralda Guiotti morre

Postado em 10 julho 2014 por Divina Neusa de Queiroz

geraldaguiotti-faleceu09julho2014

Uma  mulher de família tradicional de Pires do Rio, D. Geralda Guiotti,esposa do empresário (in  memorian), Jaime Guiotti, faleceu ontem. Ela estava com problemas de saúde ,fazendo tratamento em Goiânia há algumas semanas e faleceu dia 09 de junho em sua residência.Ela foi velada em sua casa e enterrada hoje, dia 10 de julho de 2014.

Ela deixa filhos,netos e bisnetos.Dona Geralda era uma mulher elegante, chique, vaidosa e  adorava a vida.

Nossos sentimentos aos familiares.

Foto do Facebook de Clara M. de Oliveira.

Aos familiares nossos sentimentos.luziania-Transito%20Casaroes%20Luziania%20original

Comentários (0)

Ex-prefeito de Três Ranchos é acionado por doação indevida de material de construção a particulares

Postado em 10 julho 2014 por Divina Neusa de Queiroz

 

Trevo de entrada da cidade

Trevo de entrada da cidade

A promotora de Justiça Ariete Cristina Vale propôs ação de improbidade administrativa contra o ex-prefeito de Três Ranchos, Nivaldo Silva Aguiar, visando ressarcir o município das despesas feitas por ele para aquisição e posterior doação de materiais de construção a pessoas não residentes na cidade. As doações de tijolo, padrão de energia e outros materiais foram feitas indiscriminadamente e sem qualquer embasamento legal no ano de 2008.

Ariete Vale narra que, em 2011, chegaram ao conhecimento do MP notícias de mau uso de recursos públicos e prática de improbidade por parte do município. A Promotoria local apurou que uma empresa de materiais de construção ajuizou cobrança contra a prefeitura, sob alegação de ser credora de mais de R$ 15 mil em compras feitas entre agosto e setembro de 2008.

Nesse processo, a sentença proferida apontou que, ainda que a prefeitura tivesse admitido a compra dos produtos, não ficou comprovado que eles foram entregues ao município, mas sim a particulares em Catalão. O MP apurou então que, durante esse período, foram feitas as doações indevidas a vários particulares, o que afronta os princípios da moralidade, impessoalidade, legalidade representada desvio da finalidade pública, o que configura a prática de improbidade administrativa pelo então prefeito. (Cristiani Honório /Assessoria de Comunicação Social do MP-GO – Foto: Google).

Comentários (0)

Humildade

Postado em 09 julho 2014 por Divina Neusa de Queiroz

 

Humildade .É o que falta ao brasileiro! Pé no chão! Estamos com uma safra sem grandes jogadores.

A politica tenta tomar conta de um esporte que deveria no mínimo continuar simplesmente um esporte. Os grandes ganhadores, é lógico que além do futuro campeão são a FIFA e Neymar. Neymar ainda teve sorte em não participar.

Agora voltamos a nossa realidade gradativamente pois ainda faltam 3 partidas e dia 13/07 teremos o novo campeão. Poderemos então ver como nós brasileiros lidaremos com nossas frustrações e o que ainda virá em ano de eleição.

Espero um Brasil melhor, mais maduro e menos emotivo. As coisas não caem do céu, precisamos lutar e muito para conquistar. Ontem mostramos que não lutamos nem mesmo em casa, mas queríamos o título.

Certas coisas entre elas a dignidade não é dada, ela é uma conquista. O brasileiro precisa acordar e começar a fazer.
Texto de William Kalil

 

 

 

Comentários (0)

Publicidade

Redes Sociais

  • 113seguidores
  • 0fãs
  • 2079artigos
  • 278comentários

Enquete

Desculpe, sem enquetes disponíveis.

Comentários

Parabéns por mais um furo jornalistico, continuem assim... (Luiz Menegassi)

Assunto

MURAL