banner Brasil 2014

“Foi o pior jogo da minha vida”. Foi assim que o técnico Luiz Felipe Scolari se referiu à partida de hoje (8) em que o Brasil perdeu para a Alemanha por 7 a 1. Em entrevista coletiva concedida logo após o jogo, no Estádio Mineirão, o técnico brasileiro assumiu a culpa pelo resultado e disse que houve “um apagão” e um “branco total” na equipe brasileira após o primeiro gol da Alemanha, aos dez minutos do primeiro tempo.

“Acho que demos o nosso melhor, mas perdemos para uma grande equipe que teve a qualidade de, em seis ou sete minutos, definir o jogo, com três ou quatro gols, de forma fantástica”, disse Felipão. “Quem é o responsável pelas escolhas? Eu. O resultado catastrófico pode ser dividido por toda o grupo. Mas a responsabilidade, a escolha da parte tática e da forma de jogar, fui eu. O responsável fui eu”, admitiu o técnico.

Para Felipão, houve um descontrole dos jogadores após o primeiro gol alemão. “Houve um descontrole. Isso não é normal, mas acontece. Perdemos um jogo, mas para uma grande seleção. Nem eles [alemães] sabem o que aconteceu. Foram cinco bolas e cinco gols”, disse. “Ficamos em pânico e as coisas foram acontecendo”, acrescentou.

De acordo com o técnico, o resultado não seria diferente de Neymar tivesse jogado hoje. O atacante ficou de fora do Mundial após sofrer uma fratura na terceira vértebra lombar, na partida de sexta-feira (4) contra a Colômbia. “Tudo o que a Alemanha fazia hoje dava certo”, ressaltou Felipão, destacando que a “Alemanha fez sua melhor partida no Mundial, enquanto o Brasil fez a sua pior”.

Segundo o técnico, o Brasil agora terá que aprender com os erros cometidos na partida. “Se foi uma derrota catastrófica, a pior derrota do mundo da seleção brasileira, temos que aprender com isso”, acrescentou, ressaltando que pelo menos 14 jogadores desse grupo poderão estar na próxima Copa. Felipão disse que, agora, o foco será o jogo de sábado, quando o Brasil disputa o terceiro lugar contra o perdedor do jogo de amanhã (8) entre Argentina e Holanda.

Texto Elaine Patrícia Cruz – Enviada Especial Agência Brasil